Eu só não fui atendido na terapia de manhã. De resto, entre 13h e 21h, já fui atendido em todos os horários, de segunda a sexta, seja por motivos de encaixe e REPOSIÇÃO, seja porque coisas aconteceram na minha vida que eu precisava mudar o dia e o horário.

Isso significa, portanto, que eu já fiquei mais de 7 dias sem uma sessão, mas nunca fiquei uma semana sem entrar naquela salinha quente (que costuma ligar o ar condicionado só enquanto eu estou lá). Quer dizer, tem uma. De 52 semanas de um ano, eu só deixei de ir naquela "do ano novo". Aquela do maldito recesso.

Maldito pra mim, claro, que sem piscina e com a carteira assinada, fico em casa por tempo demais, sem fazer e sem conseguir fazer nada. Nem mesmo aproveitar.

A frustração que eu tou sentindo tá ridiculamente grande. Num dia eu me sinto leve e cheio de coisas boas; no outro eu tou no chão, completamente estrupiado, já que a queda foi grande. Cada decisão que eu tomo eu me arrependo na sequência, isso quando consigo decidir alguma coisa. Minha paciência se esgota em dois segundos. Não consigo parar de querer comer. Se durmo, quero acordar. Me sinto horrível, fisicamente falando. Não consigo desligar, não consigo relaxar. Atenção, alguém POR FAVOR me dê atenção... Mas não qualquer uma, tem de ser uma especifica, que eu nem sei qual é.

Posso ir trabalhar? Aproveitar a cidade e os ônibus vazios? Porque claro... Eu tou em casa. Mas eu podia ter pelo menos uma semaninha tranquila indo pra lá e pra cá. Nem isso eu consigo!

Fiz as contas aqui e minha última sessão de terapia foi na quinta-feira passada, 16h. Fez uma semana. A próxima vai ser só na outra quinta, dia 10. Às 21h. Se um dia tem 24h, serão QUATORZE DIAS e ALGUMAS HORAS sem falar com a única pessoa que eu consigo falar boa parte do que guardo na minha cabeça, a única pessoa da qual eu não espero nada -- até porque eu nem sei o que esperar.

Quatorze dias. Pra mim. Pra ela serão, sem contar os dois fins de semana, três dias de férias. Ou do tal do recesso. Não quero nem pensar em ouvir a palavra "férias" saindo da boca dela. Nem da minha.

Eu não sei se aguento.